sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Oceanos


Quantos de vocês eu precisarei atravessar?

Para me dar conta de que você sempre esteve aqui.

Longe de mim mesmo tão perto.

Quantos eu terei que matar?

Para tentar provar minha inocência.

Talvez a maré te cause náuseas.

E então tu resolvas se distanciar.

Quantos séculos eu terei que esperar para rever-te?

A sombra de quem eu fui.

Vendo tudo ao meu redor expirar.

Quantas vezes eu já te vi afastar?

Uma conta que eu não sei mais contar.

Um tórrido sonho que sempre tem fim.

Meu fim, teu fim, nosso eterno fim.

Um comentário: